Publicado: 09/08/2019

Transformação digital e desmaterialização de processos.

Publicado por

CIESC Redação

CIESC Redação

Conteúdo de Marca

BRy e FIESC: A parceria que alavancou resultados.

Com a criação da Infraestrutura de Chaves Públicas do Brasil (ICP-Brasil), o país abriu caminho para operações e negociações digitais seguras e, por consequência, para a transformação digital. A infraestrutura normatiza as relações e define padrões para que arquivos digitais tenham a mesma validade dos papéis.

Uma das primeiras aplicações práticas desse sistema foi no poder judiciário, instância pública que mais gera, acumula e depende de documentos impressos em todo o país. Quando a tramitação de processos digitais deixou de ser uma novidade e se tornou obrigatória, foi dado o primeiro passo em direção à desmaterialização nas esferas públicas e privadas. Isso possibilitou a realização de inúmeras transações sem a necessidade de imprimir uma folha sequer.

No início do processo de digitalização de operações, ainda existia um grande receio de que o meio eletrônico não fosse seguro. No entanto, esse medo é desnecessário, porque a evolução da cadeia de chaves públicas do Brasil e a regulação das autoridades certificadoras contribuem para que caminhemos rumo ao futuro sem papel enquanto sociedade.

A modernização já chegou a instituições financeiras, que fazem a compensação de cheques por meio de imagens; segue para entidades de classe que unem produtores ao Ministério da Agricultura; avança para as instituições de ensino que emitem certificados e diplomas digitais; e chega até o cidadão, que pode se relacionar com o governo de uma maneira mais produtiva, sem tanta burocracia.

O futuro

O mercado de certificação digital tem crescido cerca de 30% ao ano no Brasil. A movimentação de órgãos e repartições públicas em direção à modernização dos processos, que estão criando suas próprias exigências nesse sentido, está afetando também as empresas privadas. O processo desmaterializado e a assinatura digital estão totalmente de acordo com o compliance das organizações, e isso faz crescer a confiança na transformação que estamos presenciando e protagonizando.

A BRy Tecnologia, que é parceira da FIESC na transformação digital de processos, atua na aplicação de protocolos criptográficos para tornar operações e negociações digitais mais seguras. Sua tecnologia de carimbo do tempo, assinatura e certificação digital, promove a transformação digital, a digitalização de processos e a otimização de tempo para grandes e pequenas empresas públicas e privadas que processam altos volumes de dados e documentos.